Barcelona sofre, mas Messi salva e equipe catalã segue invicta após 30 rodadas


| Por Vitor Magalhães 
Sevilla abre 2-0, mas sofre 2 gols nos 3 minutos finais de partida

Na tarde deste sábado (31), o Barcelona voltou a campo depois da parada para a data FIFA e não encontrou uma tarefa fácil pela frente, enfrentar o Sevilla, adversário da final da Copa do Rei, em seus domínios. O placar final de 2-2 não reflete o que foi a maior parte do jogo, mas um fator determinante decidiu a partida, Lionel Messi. A vantagem agora é de 12 pontos, pelo menos até amanhã, quando o Atlético entra em campo, faltam oito rodadas para o iminente título catalão.

O argentino que se recusa a ser derrotado na atual temporada da La Liga, saiu do banco de reservas para dar cara nova à equipe blaugrana. Messi passou 57’ na reserva, a cada gol do Sevilla as câmeras focavam o rosto incrédulo do camisa 10. Talvez o plano de Ernesto Valverde, fosse não usá-lo no confronto de hoje, mas a necessidade falou mais alto, e quando o dever chama, Messi decide com a sua singularidade dentro das quatro linhas.

90 minutos
O Sevilla fez valer o mando de campo e foi dominante em praticamente toda a partida. Aos 36’ em jogada de fundo feita por Correa, Vázquez recebeu livre entre Umtiti e Piqué na pequena área e abriu o placar (1-0). Aos 4’ da etapa final, Luis Muriel pegou sobra dentro da área e tocou no canto de Ter Stegen (2-0). Já era hora de mudar os planos, Valverde chamou Messi e ele prontamente entrou no lugar de Dembélé.

A partir daí o jogo se transformou completamente, o Barça se lançou ao ataque e deixou espaço de sobra para o contra-ataque, o Sevilla teve grandes oportunidades de matar a partida, mas não aproveitou. Aos 42’ Suárez aproveitou cobrança de escanteio e diminui para os culés (2-1), no minuto seguinte a genialidade de Messi se fez presente mais uma vez, após bola lançada para entrada da área o argentino chegou finalizando de frente, empatando o jogo em 2-2, lance muito parecido com o gol que fez contra o Real Madrid em abril do ano passado.

O Barça correu um risco calculado, já que o time não queria perder a sua longa invencibilidade. Já são 37 partidas sem derrota na La Liga, na próxima rodada o clube catalão pode igualar o recorde da Real Sociedad, que ficou 38 jogos invicta entre 1980 e 1981. Além disso, faltam apenas 8 partidas para o fim da temporada, se não for derrotado o Barcelona será o primeiro campeão invicto desde 1932, quando o Real Madrid conseguiu o feito, mas há de se levar em consideração que naquela época o torneio durava apenas 18 dias.

Messi

O melhor jogador do mundo mais uma vez fez a diferença, Messi é daqueles atletas competitivos que não aceita a derrota facilmente, responde dentro de campo às adversidades e não entrega os pontos para qualquer que seja o adversário. A gana de vencer do argentino é impressionante, mesmo com uma vantagem de 11 pontos, ele se esforça, doa-se ao máximo para a equipe, e persegue seus recordes individuais e coletivos, sem excluir os companheiros.

Os holofotes sempre buscam Messi, seja titular ou não, não por que ele deseja ser o centro das atenções, mas porque a sua singularidade prende a atenção de quem o vê, talvez prender não seja a palavra certa, porque na verdade, nós sempre escolhemos assistir Lionel Messi. A bola é a principal cúmplice do camisa 10, que parece tratá-la com mais carinho com o passar dos anos, e ela retribui à altura, sempre encontrando Lio, no lugar certo e na hora exata.