Yerry Mina: a um passo de sentir o que realmente é ser do Barça


| Por João Henrique Braga
Após o pesadelo vivido pela diretoria durante a última janela de verão europeu, o Barcelona conseguiu fazer boas contratações em janeiro. Além da tão aguardada chegada de Coutinho, a iminente saída de Mascherano obrigou o clube a buscar um substituto, e o eleito foi o colombiano Yerry Mina.

A escolha de Mina se deu por uma ocasião de mercado, uma vez que o Barcelona já havia adquirido preferência na compra do atleta, junto ao Palmeiras, no valor de 9 milhões de euros. Inicialmente os clubes concordaram em integrar Mina ao elenco azul-grená somente após a Copa do Mundo, alegando que o torneio daria mais experiência ao zagueiro, que ainda poderia ajudar o Palmeiras no primeiro semestre da temporada. Entretanto, a saída de Mascherano exigiu a contratação de um novo defensor. Uma vez que o Barça havia concentrado a maior parte do seu poder de financeiro na contratação de Coutinho, acharam por bem apostar na contratação mais “discreta”, que custou apenas 12 milhões de euros, ao invés de investir milhões em zagueiro que já atuam no velho continente.  

Por ter chegado durante a temporada, Valverde ainda não encontrou um momento ideal para colocá-lo, e o próprio já alegou que a falta de uma pré-temporada atrasa o processo de adaptação, não só ao futebol europeu, mas também à maneira do Barça de jogar. Desde que chegou à Catalunha foi relacionado para quatro partidas, mas ainda não debutou com a nova camisa. Porém, diante as baixas de Piqué e Vermaelen, Mina é o único zagueiro disponível na equipe, por isso o momento de sua estréia parece próximo.

Sua primeira partida pode acontecer em um dos campos mais hostis para visitantes na Espanha, o Estádio de Mestalla, justamente em um jogo muito importante, que definirá o clube que irá disputar a final da Copa do Rei contra o Sevilla.

Se realmente for escalado para acompanhar Umtiti na zaga, a estréia do colombiano será uma autêntica prova de fogo. Com certeza seria melhor que debutasse em uma partida mais tranquila, contra um rival mais simples ou com um placar já liquidado. Porém, se for realmente escalado, e fizer uma boa partida, com certeza será muito bom, não apenas para conquistar a torcida – que está ansiosa para ver o mais novo integrante do plantel em ação –, como também será positiva para a autoestima do zagueiro, que terá mais confiança e se sentirá mais a vontade em sua nova equipe, afinal, verdade seja dita: o jogador só começar a pertencer à equipe, de fato, quando joga sua primeira partida. Antes disso, fica apenas a expectativa de vermos o primeiro colombiano da história culé entrar em campo com as cores do Barça pela primeira vez.

Embora ainda cercado de desconfiança, Mina tem méritos para justificar a razão pela qual merece uma chance. Enquanto esteve no Palmeiras, foi considerado um dos melhores zagueiros do Brasil e da América do Sul, tendo sido muito importante na conquista do Campeonato brasileiro de 2016. Ficou conhecido como o ‘Rei dos Clássicos’, por ter marcado em todos os derbys possíveis com a camisa alviverde, o que demonstra não apenas seu ‘feeling’ de artilheiro, mas também sua capacidade psicológica de ser decisivo em uma partida de altíssima dificuldade, como geralmente são os clássicos.

Além disso, seus bons desempenhos com a camisa palmeirense lhe renderam sua primeira convocação para a seleção colombiana em 2016, e desde então está sempre presente nas listas do treinador José Pékerman para defender La Tricolora. Pelo time nacional, já soma 3 gols em 9 partidas, um número bem expressivo, principalmente para um defensor.

Enfim, parece que a hora de Mina finalmente está chegando. E além da expectativa de vermos ele em campo pela primeira vez com a camisa culé, sentiremos as emoções de uma partida muito tensa, como sempre é. Mas acreditamos que Yerry pode fazer história com o Barça, e já mostrou ter todas as características necessárias para isso. Mesmo sendo muito talentoso, trabalhou muito para chegar aqui, e se sua passagem na história blaugrana será gloriosa, só depende dele.

Força, Yerry! E lembre-se: saiu de um grande clube da América, e agora está em um grande gigante Mundial, logo, a exigência será proporcional. E caberá a você corresponder a cada chance que receber.