Um Derby molhado e silencioso


| Por Vitor Magalhães 
Barcelona sofre com o gramado, Espanyol sai na frente, mas Piqué deixa a torcida em silêncio 

Barcelona e Espanyol se enfrentaram hoje pela 22° rodada da La Liga, foi o terceiro “derby” num espaço de aproximadamente 15 dias. O saldo é positivo para os culés, que eliminaram o rival na Copa do Rei e hoje empataram em 1-1 fora de casa, permanecendo com a primeira posição e a invencibilidade no campeonato espanhol. Agora, o Barcelona detém um novo recorde de jogos sem derrota, a melhor sequência de sua história no campeonato. Em 22 partidas disputadas, o clube catalão soma 18 vitórias, 4 empates, 0 derrotas e a impressionante marca de 60 gols marcados. Os comandados de Ernesto Valverde superaram a marca do inesquecível time que foi montado e dirigido por Pep Guardiola em 2009/2010.

O Jogo

Sob muita chuva durante todos os 90 minutos, Espanyol e Barcelona fizeram um jogo pegado e repleto de disputas e batalhas pessoais. Um jogo pesado por conta das condições climáticas, que acabou prejudicando o estilo de futebol do Barcelona, a bola quase não rolava devido às poças d’água que se formavam em determinadas partes do gramado.

Coutinho teve mais uma chance como titular, e quase a transformou em gol aos 22’ do primeiro tempo. O brasileiro recebeu a bola do lateral francês Digne e arriscou um chute forte e colocado da entrada da área, carimbando o travessão do goleiro Diego López que ficou batido no lance. 3’ mais tarde Iniesta errou uma saída de bola que poderia ter se tornado o primeiro gol do Espanyol, Leo Baptistão não viu o seu companheiro entrando livre e preferiu arriscar para o gol, mas Ter Stegen estava atento e fez boa defesa em dois tempos.

O Espanyol jogava no contra-ataque e vez por outra, conseguia levar perigo ao sistema defensivo do Barcelona, em uma dessas descidas, Busquets foi obrigado a parar o adversário com falta e levou o cartão amarelo. O Barcelona dominou as ações no primeiro tempo, teve 75% de posse de bola, mas não conseguiu traduzir o domínio em gol, o Espanyol acuado sem a bola, subia a marcação para tentar roubá-la no campo de ataque, mas sem muito sucesso.

No minuto 1’ da segunda etapa, um susto, Leo Baptistão driblou Ter Stegen e alcançou a linha de fundo, o brasileiro conseguiu rolar para o companheiro G. Moreno, que marcou o gol. Mas o bandeirinha corretamente assinalou que a bola havia saído na jogada pela linha de fundo.

Aos 21’, Ter Stegen bateu mal o tiro de meta e a bola ficou com o Espanyol, no decorrer do lance, Gerard Moreno entrou livre nas costas de Piqué e abriu o placar depois de um cruzamento preciso de Sergio Garcia, 1-0 para os donos da casa.

Messi começou no banco, mas antes da metade da segunda etapa, já estava em campo, ou na piscina que se tornou o gramado do estádio Cornellà-El Prat. O argentino teve mais uma vez papel decisivo na partida. Aos 37’ da segunda etapa, em cobrança de falta feita por ele, Piqué subiu e cabeceou forte para manter viva a invencibilidade do Barcelona.

A capacidade de permanecer em silêncio, muitas vezes, é uma das maiores qualidades que o ser humano pode possuir, os torcedores do Espanyol desconhecem essa característica, em outra ocasião, ofenderam Gerard Piqué e sua família e hoje um homem sozinho, silenciou a multidão. Lembrando disso, na hora da comemoração, o zagueiro mais querido e mais odiado da Catalunha, fez o famoso gesto de silêncio para os torcedores rivais. Essa atitude gerou uma série de discussões entre os atletas dentro do campo e esquentou os ânimos em meio ao dilúvio que caía no estádio do Espanyol.

Resultado (1-1)

O Barcelona segue líder invicto e aguarda o resultado do jogo entre Atlético de Madrid x Valência para saber a que distância ficará do segundo colocado ao fim da rodada. 

Considerando todas as variáveis do confronto de hoje, o empate foi um bom resultado para a equipe blaugrana, devido as condições do campo e a forte chuva, nosso estilo de jogo foi extremamente prejudicado e o do rival favorecido. Mas times campeões são forjados em momentos assim e, diferente do processo de forja tradicional que usa o fogo, hoje fomos forjados e crescemos debaixo de muita água e alguns silêncios.