Marc-André Ter Stegen: a aposta que deu certo

| Por Lui Chaves 

Segunda-feira, 19 de Maio de 2014: o dia em que o Barcelona anunciara Marc Ter Stegen como novo goleiro do clube. O então guarda-metas, Victor Valdés, acabava de anunciar que deixaria  a Catalunha, sendo assim, a necessidade de contratar alguém para a posição era imprescindível. Um jovem alemão de 21 anos demonstrava no Borussia Mönchengladbach um imenso potencial, a ponto de chamar bastante a atenção a comissão técnica blaugrana. Junto com o alemão, o Barça contratou o chileno Cláudio Bravo, hoje no Manchester City. Bravo, por ser um goleiro mais experiente - na época com 30 anos - chegara para ser o titular da posição. A principio, Stegen seria utilizado apenas na Copa Nacional, o que já é de praxe para os goleiros reservas na Europa. Porém, as atuações e o trabalho nos treinamentos transmitiram uma confiança gigantesca aos preparadores de goleiros, que acreditavam que Ter Stegen deveria ter mais minutos na temporada.
Com essas informações e acompanhando o desempenho do jovem, o então treinador Luís Enrique, resolveu que o alemão seria o titular em todas as Copas, inclusive, a Liga dos Campeões. Tal atitude fez com que florescesse com mais velocidade a qualidade daquele que hoje, é um dos melhores goleiros do Mundo. Muitos duvidavam que alguém tão jovem poderia assumir a camisa 1 do Barcelona em uma Uefa Champions League, por isso, as críticas e a pressão sobre o jogador eram motivos de preocupação para o elenco. Mas, Ter Stegen desde o primeiro momento demonstrou uma extrema tranquilidade, acompanhada da típica frieza alemã, característica sempre marcante no goleiro. 
Em sua estréia, no dia 17 de Setembro de 2014, em jogo válido pela Liga dos Campeões contra o Apoel, Marc passou uma segurança assombrosa em se tratando  de um jovem de apenas 21 anos. As saídas do gol, a reposição rápida e o posicionamento perfeito; foram fatores que deixaram uma impressão bastante positiva na crítica esportiva. A boa atuação na partida de estreia, se estendeu por toda a temporada. O jogador foi um dos bons nomes nas conquistas da Champions e da Copa do Rei, dois dos três troféus levantados pelo Barça naquele ano. 
A frieza e a tranquilidade que alemão transmite para as pessoas que convivem com ele, na época, poderia passar a falsa impressão de que o atleta estava satisfeito em ser o "goleiro de copas" da equipe, situação que Stegen deixou bastante clara em uma entrevista a 'Cadena Ser', pouco antes do início da temporada 2015-16. Na declaração, o goleiro afirmara estar muito feliz em jogar no Barcelona, mas que tinha a ambição de jogar a Liga Espanhola, competição essa, que tinha Cláudio Bravo como o titular no gol do time. As palavras do jogador foram recebidas com grande preocupação pela diretoria; que passou a pressionar Luís Enrique para que escalasse o alemão também na Liga, temendo um assédio de outros clubes. Isso aconteceu, não com a frequência que o jogador esperava. Foram apenas 7 jogos pela  Liga em toda a temporada, pouco para um goleiro jovem com ambições altas. 
Após o fim do calendário em agosto de 2016, o Barça negociou Cláudio Bravo com o Manchester City, deixando o caminho completamente livre para Ter Stegen, que como todos já esperavam; não decepcionou. Porém, mesmo estabelecendo-se na posição, a temporada 2016-17 foi a pior do goleiro no parâmetro individual. Com algumas falhas esporádicas, a continuidade de Stegen no Barcelona chegou a ser questionada pela imprensa catalã, que acreditava que o mesmo não teria condições de ser o principal goleiro do esquadrão azul-grená. A verdade é, quem acompanhou o Barcelona na temporada passada, irá concluir que a falta de segurança do jogador em certos momentos, vai de encontro ao péssimo ano de todo o time na parte defensiva. Com uma dependência assustadora do trio "MSN", a defesa se encontrava em muitos momentos desprotegida, e se falando em retaguarda; a falta de segurança de um, é a falta de segurança de todos. Isso ficou bastante evidente nas derrotas para PSG e Juventus na última Liga dos Campeões. 
As falhas ficaram pra trás, e Ter Stegen em 2017-18 alcançou de vez o patamar esperado desde a sua chegada. Um jogador que se tornou referência entre os  goleiros da nova geração. O posicionamento moderno, que espera até o último momento para cair e assim tirar completamente a visão do adversário, vem impressionando ainda mais na atual temporada. O menino de 21 anos que chegou em 2014, agora é um homem de 25, que em 2018 é um dos principais nomes do time que segue invicto na Liga Espanhola e na Champions League. Dessa forma, todas as dúvidas que pairou nas cabeças blaugranas até meados de 2017, se transformaram em confiança e adoração, pouco mais de um ano depois. Vida longa no Camp Nou, "Paradão" Stegen! 

Números de Marc-André Ter Stegen: 
2014-15 -  21 jogos | 16 gols sofridos | Média: 0,76
2015-16 -  26 jogos | 27 gols sofridos | Média: 1,03
2016-17 -  46 jogos | 48 gols sofridos | Média: 1,04
2017-18 -  28 jogos | 16 gols sofridos | Média: 0,57
Títulos: 
Champions League | 2014-15
La Liga | 2014-15; 2015-16
Copa Do Rei | 2014-15, 2015-16 e 2016-17
Supercopa Espanha | 2016
Supercopa Europa | 2016
Mundial de Clubes | 2016