Dérbi catalão: a rivalidade que não existe


| Por Lui Chaves 

Uma rivalidade que vem sendo instigada por seus envolvidos, pois, está longe de ser algo real. É evidente que não há uma disputa desportiva para que o confronto Barcelona-Espanyol seja chamado de "Clássico", alguém precisaria forçar tal clima. As palavras despretensiosas, com fins de zoação que foram proferidas por Piqué e Busquets após a classificação Blaugrana na Copa do Rei, foram claramente usadas pela diretoria do Espanyol para criar uma "atmosfera" de rivalidade extrema - o que todos sabemos que não existe.

Por que não há rivalidade?

Vamos lá! O FC Barcelona já foi campeão espanhol em 24 oportunidades, enquanto o "rival" jamais conquistou a Liga. Os Culés são os maiores vencedores da Copa do Rei da Espanha, com 29 conquistas; os 'blanquiazuis' tem 5 taças do torneio. O Barça é pentacampeão da Liga dos Campeões da Europa, o time de 'Cornellà' só conhece essa competição pelo nome e por assistir pela TV. O Camp Nou é o terceiro estádio da história do Barcelona e, foi inaugurado em 1957. O RCDE Stadium é a primeira e única casa da história do Espanyol, tendo sua inauguração em 2009. O clube azul e grená está todos os anos no Top 3 do faturamento Mundial, os 'blauquibaus' não aparecem na pesquisa porque os dados só informam os 50 mais bem posicionados. Se partirmos para o confronto direto o massacre é ainda maior. São 208 partidas registradas na história; com 121 vitórias do Barça, 44 vitórias do Espanyol e 43 empates. Os blaugranas marcaram 398 gols, enquanto o time de Cornellà anotou 223 vezes. Enfim, há uma diferença gigantesca em termos desportivos e estruturais, algo descomunal. Ai você pode pensar: "Mas o Barcelona deve ser muito mais velho do o Espanyol". Negativo! O FC Barcelona foi fundado em 1899 (118 anos). Um ano depois, em 1900 (117), foi criado o RCD Espanyol. A diferença é que um soube escrever uma trajetória Gigantesca, enquanto o outro...

O jogo de hoje (04/02), se apresentou exatamente como o time de Quique Flores esperava: nervoso e cheio de provocação.  O abismo técnico que existe entre as partes, foi reduzido pelos efeitos da forte chuva que caiu durante todo o confronto em Cornellà El Prat. Com isso, o toque de bola refinado e a qualidade individual dos jogadores do Barça, deram lugar ao jogo de força imposto pelo Espanyol, transformando o duelo em algo ruim de assistir. Quando os donos da casa abriram o placar com Gerard Moreno, foi impressionante a comemoração de seus torcedores, a impressão era de estarmos em uma final de Champions League. Aos 37', Gerard Piqué, um dos jogadores que causaram a fúria calculada da nação (só que não) branca e azul de Barcelona, empatou o jogo, tendo aquele prazer inenarrável de mandar toda aquela gente que ofendeu sua família calar suas "malditas bocas". 

É compreensível a intenção de torcida e direção do RCD Espanyol chamar a atenção do Mundo; o seu rival está em uma dimensão que jamais será alcançada por esses "pobres coitados" da Catalunha. Alguma coisa precisa ser feita para que todos se lembrem que em Barcelona existe outro clube; mesmo que Cornellà El-Prat não esteja em território barcelonés.