Barça 0-0 Getafe: queimando a gordura e fazendo valer a vantagem na liderança


| Por Vitor Magalhães 
O Barcelona recebeu o Getafe hoje no Camp Nou, pela 23ª rodada da La Liga. Com 58 pontos até o momento, e o objetivo de vencer a partida e abrir novamente 9 pontos do 2° colocado Atlético de Madrid, os comandados de Ernesto Valverde tiveram uma jornada complicada em casa. O placar de 0-0 não estava nos planos da equipe, que foi superior durante os 90 minutos, mas ficou devendo. O Barcelona tinha novidades entre os atletas relacionados, Coutinho teve a oportunidade de jogar em uma posição mais recuada (onde joga Iniesta), Paco Alcácer iniciou pela direita do ataque catalão, Yerri Mina fez sua primeira partida como titular, jogando ao lado de Lucas Digne, que foi improvisado na vaga de Piqué. Enquanto tínhamos problemas por lesão ou suspensão na defesa, o ataque recebia um reforço; Ousmane Dembélé estava de volta ao plantel de jogadores disponíveis para a partida.

História

A história registra 25 jogos entre as duas equipes pela La Liga, a vantagem dos culés é palpável, 18 vitórias, 5 empates e apenas 2 derrotas. No total, o Barcelona marcou 60 gols e sofreu 18 e a maior vitória foi um 6x0 no Camp Nou.

No primeiro turno, esse foi um jogo marcante para o Barcelona, uma vitória por 1-2 fora de casa que nos traria boas e más consequências. Dentre as boas, estava a manutenção da invencibilidade – que dura até hoje –, e o primeiro gol do brasileiro Paulinho. A má notícia veio depois da partida, já que esse foi o confronto que deixou Ousmane Dembélé lesionado por meses. Quis o destino que ele retornasse de uma segunda e menos grave lesão, justamente contra o Getafe. Esse pode ser finalmente, o ponta pé inicial do francês no clube.

Outro acontecimento histórico para os culés fez parte do confronto de hoje, Yerri Mina que estreou no meio de semana contra o Valencia pelas semifinais da Copa do Rei e se tornou o primeiro colombiano a jogar pelo FC Barcelona, fez sua primeira partida como titular pelo clube. O colombiano que veio do Palmeiras mostrou um potencial muito grande, principalmente no jogo aéreo, tanto defensivo, como ofensivo. Mina chegou por um preço razoavelmente baixo, se considerarmos que o mercado da bola está inflacionado. O zagueiro é uma aposta do Barcelona para o futuro, mas já vem se mostrando uma peça de proteção importante para uma das melhores defesas da temporada europeia.

O Jogo

A partida de hoje começou estabelecendo marcas pessoais para Messi e Busquets, o argentino chegou ao jogo de número 300 no Camp Nou, Messi tem mais gols que jogos no estádio. Enquanto isso, o volante espanhol Sergio Busquets chegou a marca de 300 jogos pela La Liga com a camisa blaugrana. Era para ser um daqueles dias corriqueiros de festa, com vários gols de Messi, Suárez e companhia, mas alguém esqueceu de combinar isso com o Getafe.

No 1° Tempo o Barcelona praticamente não chutou a gol, foram 45’ difíceis, a equipe do Getafe estava muito bem postada defensivamente e tentava explorar os contra-ataques. Com a rotação do elenco, vimos algo interessante. Quando tinha a bola, o Barcelona fazia uma linha de três zagueiros com Digne, Busquets ou Rakitic e Mina. Essa formação liberou mais os alas Sergi Roberto e Jordi Alba, que tiveram uma participação ofensiva ainda maior hoje.

Messi e Coutinho fizeram uma primeira etapa morna, muito em função da boa marcação exercida pela equipe visitante. O brasileiro ainda parecia um pouco perdido em campo, já que em teoria estava exercendo a função de Iniesta na partida de hoje, mas ao voltar do intervalo as coisas mudaram, por um tempo.

Dembélé e Iniesta começaram a segunda etapa no aquecimento, no minuto 60’ o jogo ficou extremamente aberto, com chances claras para ambos os lados, mas nenhuma das equipes conseguiu chegar ao gol. Coutinho voltou jogando muito melhor, parecia ter se encontrado em campo. Com dois chutes perigosos obrigou o goleiro Guaita a fazer boas intervenções. O curioso é que no melhor momento do brasileiro, o técnico Ernesto Valverde decidiu sacá-lo para colocar Iniesta – não acredito ter sido a melhor decisão naquele momento –, e aproveitou para promover a volta de Ousmane Dembélé no lugar de Paco Alcácer, que pouco produziu. O francês não teve participação efetiva na partida, errou alguns passes e estava visivelmente sem ritmo de jogo após duas lesões em aproximadamente 6 meses de clube.

Mina foi um dos grandes destaques do Barcelona no empate de hoje, o colombiano jogou com personalidade a sua primeira partida oficial na La Liga. Em dois momentos o zagueiro se precipitou com passes errados, um deles gerando um contra-ataque perigoso para o Getafe. Mas é preciso levar em consideração que ele ainda está aprendendo como funcionam os mecanismos na defesa catalã. No segundo tempo Mina corrigiu a postura e com bons desarmes, vários passes e participações, assumiu o papel de principal defensor na partida. Além de se mostrar extremamente útil no jogo aéreo defensivo e ofensivo.

Era uma pressão blaugrana, mas não muito expressiva. As melhores chances surgiram em bolas aéreas, que não são nossa característica ofensiva. Aos 77’ o colombiano Mina subiu no 3° andar para cabecear uma bola alçada na área, e por muito pouco não marcou o gol da vitória na sua estreia pela La Liga, a bola passou raspando a trave. O jogo foi se desenrolando e o Barcelona não conseguia furar as linhas defensivas que o Getafe enraizou na entrada da sua área. Aos 91’ em novo escanteio cobrado por Dembélé, foi a vez de Suárez subir alto e cabecear para mais uma grande defesa de Guaita.

Desfecho

O Barcelona encontrou dificuldades contra uma equipe que nunca venceu no Camp Nou, mas que vive uma temporada extremamente organizada. O Getafe que vendeu caro a derrota na quarta rodada do primeiro turno, arrancou um empate hoje e mostrou porque é a terceira melhor defesa da competição. O FCB segue líder do campeonato com boa vantagem de 7 pontos para o Atlético de Madrid, mas liga os sinais de alerta para evitar novos tropeços como esse, principalmente dentro de casa.

O ataque não funcionou hoje, mas podemos tirar pontos positivos da partida. Dentre eles temos a volta de O. Dembélé, a boa atuação de Coutinho na segunda etapa, e principalmente a rotação do elenco, que é parte crucial para que a equipe chegue em boas condições físicas para a disputa da Champions League no dia 20 desse mês.


Apesar das dificuldades no ataque, é importante ressaltar que foi mais uma partida sólida para aquilo que apontamos como o ponto fraco do time nas últimas temporadas, a defesa. O Barcelona atuou com um lateral improvisado na zaga, e um zagueiro que fazia sua estreia na competição. Como há séculos dizem os sábios, é preciso encontrar coisas boas para exaltar nos momentos de adversidade. O Barcelona ouviu atentamente, e achou um camisa 24 que promete entregar bastante de si ao clube, Yerri Mina.