Um Celta com muita vontade e um Barça com muitos erros

  Por Thiago Eugenio 

Um jogo repleto de erros, assim se resume a partida de hoje contra o Celta fora de casa. Do técnico aos jogadores, diversos passes, mal posicionamento e erros de marcação foram os grandes desastres que nem mesmo o segundo tempo conseguiu, que com toda vontade dos jogadores não conseguiu fazer com que todo o coletivo revertesse o placar da partida de hoje. Por força de vontade e méritos, o Celta venceu essa partida.

Com isso mais uma derrota, derrota essa para que Luis Enrique faça uma autocrítica durante toda a data FIFA. Novamente houve um exagero nas rotações do Lucho, no papel o time do Barça era mais qualificado para o ganho da partida. Porém dentro de campo vimos um time que no coletivo não funcionou bem, mesmo que nos 10 primeiros minutos de jogo tenham sido bons, depois disso o time catalão começou a perder o controle do jogo e o meio de campo simplesmente não fluía e funcionava da forma que esperávamos.

O posicionamento do ataque do Barça também estava frustrante, Neymar não partia da esquerda em direção ao centro como de costume, o brasileiro estava mais centralizado do que o normal, Suárez parecia mais pela ponta.

Busquets irreconhecível dentro de campo, nunca vi e torço para que nunca mais o camisa 5 jogue tão mal como hoje. Foram dois erros fatais do volante catalão no primeiro gol ao dormir no lance e deixar o passe do Ter Stegen passar do seu lado, foi mal no segundo errando o posicionamento no corte da bola. Escorregou em alguns passes, foi totalmente o inverso do que estamos acostumado a ver do grande jogador que é.

O terceiro gol nascendo de um erro de Arda Turan, que foi frustrante no primeiro tempo, mas no segundo conseguindo se redimir jogando um bom futebol que tem. Quando o time parecia destinado a ir pra cima em busca do empate, veio o quarto erro para quebrar de vez a esperança de pelo menos empatar a partida. Talvez por excesso de confiança, Stegen cometeu um erro grotesco e entregou um gol para o Celta, sendo que o goleiro alemão poderia muito bem te tocado a bola para o Piqué que estava do seu lado e bem posicionado para receber a bola.

Todos sabemos que a frieza do Stegen são de suas maiores confianças, porém no jogo de hoje se tornou a sua maior vilã. Apesar de não terem cometidos erros que resultaram nos gols, vale lembrar de forma decepcionante a partida fraca de André Gomes, sumido do jogo, o jogador português não teve capacidade de controlar a posse de bola em vários momentos de toda o jogo, coisa que vimos acontecer em outras partidas. Suárez, um grande aproveitador e matador, teve um mal posicionamento horrível em grande parte do jogo. Dos 11 que jogaram, vale a pena destacar um jogador. Seu nome? Piqué! Foi um grande líder em todo o jogo mostrando a sua solidez e força de vontade para ganhar a partida, fez dois gols e por pouco não foi três.

Hoje vimos um Piqué mais agressivo, com força de vontade para ajudar toda a equipe de alguma forma, sendo essa ajuda em gols como também em sua segurança na zaga. Hoje o jogador foi aquele capitão sem braçadeira. Luis Henrique resolveu colocar Alcácer para causar mais caos no ataque com dois "centroavantes" para tentar buscar pelo menos o empate. Iniesta que entrou e mudou o jogo com a sua presença, deu uma assistência e deu o passe para o pênalti sobre o André Gomes, fazendo a sua partida de número 600 com a camisa do Barça, mesmo em um dia desastroso para todo o time, o jogador mostrou como ainda deve ser motivo para ser titular absoluto no Barça.

A entrada de Denis Suárez na partida logo antes do quarto gol do Celta, a entrada do jovem jogador trouxe mais solidez para o meio campo do Barcelona que faz com que Lucho pense e reveja para que o jogador tenha mais oportunidades nas próximas rodadas que estão por vim. Todo o time precisa pensar com a derrota do jogo, principalmente Luis Henrique, pois o treinador deveria ter colocado ao menos um dos meio campistas titulares para uma partida difícil como a de hoje. Apesar de tudo isso, devemos tirar algo bom desta derrota, que foi o espírito de equipe. 

Mesmo com um placar horrível no primeiro tempo e um dia ruim para todo o time, os jogadores tiveram muita força de vontade no segundo tempo para buscar uma expectativa improvável, foi uma partida desastrosa, poderíamos abrir um ponto de vantagem sobre os rivais, mas não é o fim do mundo. Temos a data FIFA que servirá para que Luis Enrique recupere o time e reavaliar suas decisões daqui a duas semanas para uma sequência de dois jogos em casa contra o Deportivo e pela UCL contra o Manchester City.

Erros acontecem e os de hoje servem para não serem mais repetidos, as derrotas servirão como um ponto de crescimento no restante da temporada que há de vir, não o início de uma fase ruim para a equipe.