E que comece a temporada!


Por JEAN MADRID 


Os amistosos de pré-temporada se encerram neste domingo (02), contra a Fiorentina, na Itália. A disputa pelo Troféu Joan Gamper se aproxima, e a Roma promete dificultar ao máximo o confronto. E depois disso, finalmente, o primeiro jogo oficial de 2015/16: a Supercopa da Uefa, frente ao Sevilla, em Tbilisi, na Geórgia. A temporada começa com uma partida difícil, histórica, e o Barcelona vêm mais forte do que nunca para este embate.


Deixando um pouco de lado os jogos decisivos do mês de agosto, e voltando-se totalmente para o time, a expectativa não poderia ser melhor. O detentor da tríplice coroa na temporada passada dá início ao segundo ano no comando de Luis Enrique completo. O elenco está fechado, confiante, entrosado – por mais que falte ritmo de jogo –, e como a tendência, depois de um ano vitorioso, é só evoluir, a nova jornada que se inicia promete ser espetacular.


Os novos reforços que chegaram (Aleix Vidal e Arda Turan), por mais que só possam atuar em janeiro, tem tudo para se encaixarem perfeitamente ao elenco principal, e possuírem um papel vital na temporada. Vidal chega como reserva imediato de Daniel Alves, podendo até atuar como meia ofensivo, e Turan se apresenta como, possivelmente, o 12º jogador.


Promessas da base voltam a fazer parte da primeira equipe. Munir e Sandro, os que chamam mais atenção, devem atuar em jogos pequenos de Copa, Liga e até mesmo Champions League. As chances têm de ser dadas – e, provavelmente, serão – para o aprimoramento, estudo e evolução dos jovens – que, diga-se de passagem, tem muito potencial.


A zaga – nosso setor mais abastecido – deve contar com mais um reforço nesta temporada. Vermaelen deixou para trás as lesões que o impossibilitaram de ajudar o Barça em 14/15, e deve botar uma enorme incógnita na cabeça de Lucho, claro, se ganhar ritmo, voltar à boa forma, e o mais importante, não se lesionar de novo.


O elenco reserva não é dos melhores, porém, também não é de todo ruim. Bartra e Mathieu devem ganhar minutos em praticamente todas as frentes. As laterais parecem ser o setor onde haverá menos rotações, já que Daniel Alves e Jordi Alba são unânimes, e os reservas não cumprem o
papel com a mesma intensidade. Mesmo assim, jogadores como Adriano, Sergi Roberto, Douglas e outros jovens da La Masia, podem somar minutos, poucos, mas podem.


O meio de campo é o mesmo: Busquets, Iniesta e Rakitic. Entretanto, o setor médio deve ser o alvo da maior parte das rotações. Peças de reposição não faltam. Mascherano, Rafinha, Samper, Halilovic, Gumbau, e futuramente, Arda Turan, devem aparecer por ali em diversas partidas. Como já era previsto, rodízios no elenco serão ainda mais frequentes.


E se for para citar os dois meias titulares, adjetivos benéficos não podem faltar. Rakitic e Iniesta terminaram a temporada voando, muito bem física e tecnicamente. São, irrepreensivelmente, os donos da posição. Hoje, não há quem os tire da titularidade. E não é pra menos. Rakitic é uma das peças mais vitais da equipe, se não a maior delas. Muito bem disposto taticamente – graças a Luis Enrique –, o croata comandou, ao lado de Andres, o meio, e, como já foi dito, a tendência é só evoluir. Iniesta se recuperou de uma fase ruim, e mostrou na reta final da última temporada que ainda é um craque, um verdadeiro maestro. Fez uma pré-temporada muito boa, com disposição e agilidade nos seus requisitos, e a disputa pela vaga com Arda Tura parece ter o espanhol bem à frente.


O ataque é, como podemos dizer, sagrado. Não há quem substitua Messi, Suárez e Neymar no comando ofensivo. Três dos melhores jogadores do mundo tem seu espaço garantido no ataque catalão. Contudo, Sandro e Munir também devem ter seus minutos. Pedro, o reserva imediato do setor ofensivo, está muito próximo de sair do clube rumo à Inglaterra. Se ficasse, seria o atacante que mais receberia chances, porém, ele deve ir buscar a titularidade em outra equipe do velho continente.


Enfim, expectativas, esperanças e anseios são os melhores possíveis. O Barça dá início à temporada 15/16 cheio de confiança, e podendo repetir o feito do time de Pep Guardiola: conquistar o sexteto. As previsões são boas, mas pés no chão, cabeça erguida e fome de bola têm de estar presentes na mentalidade catalã. A temporada só vai ser boa novamente, se a equipe, novamente, corresponder.


Visca el Barça, e rumo a mais uma era vitoriosa!